quarta-feira, 17 de abril de 2013

Violência psicológica

Esta semana ouvi uma história de agressão e separação, uma história deprimente, revoltante e de mágoa, infelizmente igual a tantas outras, mas que me deixou a pensar. A senhora em questão era divorciada. O ex-marido agrediu-a psicologicamente durante anos e anos. Chegou mesmo a ser agressivo fisicamente algumas vezes. Mas a parte psicológica era a que estava mais danificada nesta senhora. A sua auto-estima estava reduzida a zero, depois de anos de "não vales nada", "arranjo as que quiser e tu nada", "não prestas nem para fazer o jantar", "comparada comigo és merda", "és feia e horrível, nem sei porque casei contigo", e"tás doente? não tou pra aturar isto", etc etc etc.
Lendo isto vocês pensam "fogo, punha-lhe logo um par de patins e nunca mais o via", mas não é assim tão fácil. Esta mulher precisou de quase 20 anos para ganhar a coragem necessária para se separar. Casamento jovem, primeiro namorado, filhos.....e uma alma quebrada. O pai já não era bom exemplo e o marido revelou-se tão igual ou pior. Pior porque, segundo a própria, é uma pessoa falsa, charmosa, que capta para si as atenções e amores. Acho que estou a ver mais ou menos o género em questão e digo-vos que farejo este tipo de pessoas ao longe. Olhar lânguido e sedutor, voz calma, todos pátáti-pátátá e depois em casa são do piorio.

Fiquei triste ao ouvir a história. Ainda mais porque sei que há muitas mulheres como ela, vítimas de tortura psicológica, que não têm a coragem de deixar o seu "agressor". Este tipo de agressividade é tão ou mais grave que a física - deixa marcas na personalidade, na auto-estima, deixa a pessoa reduzida a nada, sem vontade de viver ou lutar, e sem uma "prova concreta" da dita agressão. Não é preciso levar um estalo para se estar numa relação violenta.

Acrescento só que, realmente, há pessoas que não valem nada. Pessoas que parece que têm prazer em fazer mal aos outros, em fazer os outros infelizes. Não entendo a violência (de qualquer tipo), não percebo o prazer que pode dar......e só espero que estas pessoas tenham um dia o que merecem.

4 comentários:

  1. Já sofri isso na pele no passado, custa muito dar aquele passo. Essa senhora teve a coragem e merece os parabéns!!

    ResponderExcluir
  2. É assustador que as pessoas possam ser tão manipuladoras...

    ResponderExcluir
  3. Estas histórias revoltam-me, tenho uma amiga que é assistente social e conta coisas indescritiveis, coisas como o doido do marido acordar a mulher com baldes de +agua fria a meio da noite só porque sim :/

    ResponderExcluir
  4. É... me livrei de alguém assim.
    eu, como a sra. relatada no texto, sofri por quase 20 anos... mas a diferença é que me preparei, peguei aquilo que ele me dizia e fiz algo útil: provei a mim e a ele que estava errado!
    Estudei, ganhei autonomia, tornei-me independente financeira e psicologicamente e hoje estou aqui viva pra contar.
    :)

    ResponderExcluir

Obrigada pela sua teoria! ;)